RAZÃO, FÁBULA, MITO, LOGOS NA HISTÓRIA DO HOMEM

Loading...

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

DORME TEU SONO DE ANJINHO DE DEUS



Dorme, Aylan, teu sono de anjinho de Deus,
Dorme criança linda
O Pai te acolheu no seu seio.
Após a trágica jornada que matou também o teu irmão e a tua mãe,
Acordaste, junto com eles, no paraíso dos Justos,
Onde o mal não chega e a morte foi esconjurada.
Dorme anjinho querido,
Os egoísmos humanos não te acolheram,
Políticos ficaram fazendo estatísticas de cotas e de dólares,
Mas o Pai te acolheu no seu colo,
Amada criança,
O teu inocente sono acordou milhões pelo mundo afora.
Foi preciso que partisses destas praias
De dores e de amarguras,
Para que outras criancinhas como tu recebessem aconchego....
O Pai te enviou para que levasses esse raio de esperança
Para tantos inocentes que são vítimas de guerras e de abusos.
Te amo em cada criança que pede colo e não encontra,
Anjinho de Deus!

terça-feira, 12 de maio de 2015

TRÊS ANINHOS, MOLEQUINHO!



Já se vão lá três aninhos, 
Molequinho da alma,
Andanças, tresnoitadas, correrias,
Vacinas, médicos, titias,
Mamadeiras, quedas, choros,
Pesadelinhos de anjo,
Quantas aventuras, meu amor,
Te confesso uma coisa, meu loirinho lindo:
Encheste a minha vida de mais vida,
Trouxeste mais esperanças às minhas evanescentes Esperanças de adulto-aposentado,
Encheste de sorrisos as minhas manhãs,
Tudo vale a pena para te ter ao meu lado, meu Pedrinho!

domingo, 24 de agosto de 2014

ELLIOTT, CAZADOR Y POETA

Elliott, el cazador y el poeta. [Foto: álbum de familia].
En el hogar de Anita y Franck sólo uno manda:
Elliott, el cazador con nombre de poeta.
Por la casa se agita y por doquier él anda,
De alegría una estela dejando, cual cometa.

Elliott es un poeta: persigue mariposas
Y, como Ferdinando, el toro del poema,
Aprecia los paisajes y el aire de las rosas
Y deja la campiña de gracia toda llena...

Elliott es cazador: salta como un carnero
Sobre míticas liebres y jabalís de ensueños.

A sus presas persigue con ímpetu certero
Y viene a refugiarse al abrigo de sus dueños...

Anita y Franck poseen un grato compañero
Para hacer en la casa el vino de sus sueños!

Quarante, Languedoc, 6 de Enero de 2011.


terça-feira, 6 de maio de 2014

EDUARDO

EDUARDO E THAYLA
Eduardo, Convivi contigo por pouco tempo e a intervalos, ao longo das minhas rápidas vindas a Apucarana. Quando me mudei com a Paulinha e o Pedrito para Londrina, já estavas longe, em Curitiba. Senti imensamente a tua partida. Tinha um carinho especial por você. Algo assim como o carinho que a gente sente por um filho mais velho, ou por um sobrinho próximo. Pena que não tive oportunidade de aprofundar a amizade contigo. Sei do carinho todo especial que tinhas pelo meu Pedrinho e isso me alegrou profundamente. Ele vai se lembrar do tio que tocava violão e que o erguia alegremente sobre a cabeça, como querendo que tocasse o céu, Pedrinho gargalhando...Nestes dias de luto, quando fiquei em casa, em Londrina, cuidando do meu filhinho enquanto Paulinha acompanhava, em Apucarana, os teus pais, Pedrinho, ao acordar, me dizia: "Adu", como que lembrando o teu nome. Ele já sente saudades de ti. E todos nós sofremos com a tua ausência. Saudades imensas que somente a fé na Vida Eterna ajuda a superar. Sei que, no Paraíso, tens encontrado amigos e familiares que já partiram. E que, dali, sob o olhar amoroso do Pai, acompanhas todos os nossos passos, as dores que sentem os teus pais e a Paula e as saudades de todos os que contigo convivemos. Que Deus te acolha entre os seus mais próximos filhos.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

HORAS, BICHINHOS E BRINCADEIRAS





Mãezinha querida,
Me deixas sair
Pra brincar de pique
Com Bolinha e Bob?

Mãezinha, prometo
Que não vou cair
Nem sujar a roupa...
Só me divertir!

Mãezinha, te peço
Que brinques, também,
Um pouco com Teca
Pois aí ela vem...

Todos divertidos,
correndo e gritando,
As horas vão indo
E a noite chegando......

LUA AMIGA - "ZIÂ"




Ziâ, minha amiga,
Não quero dormir,
Mãezinha se zanga
Se tento sair...

Ziâ, minha amiga,
Hoje brilhas mais!
Será que os anjinhos
Limparam teu lar?

Ziâ, coleguinha,
Por quê noites há
Em que não apareces
Nem aqui nem lá?

Talvez, minha amiga,
Cansadinha estás,
Como eu, quando brinco
Sem parar jamais!

Ziâ, me prometes,
Que hoje ficarás
Sorrindo, ao meu lado
E me arrulharás?

sábado, 30 de novembro de 2013

EN CAMPOS DE VIÑAS (BENTO GONÇALVES)



En campos de viñas
Bañadas de luz 
Te encuentro, mi niño 
Esta tarde azul.

Tu blanca manita 
Me extiendes, amor, 
Buscando en mi mano
 Fuerza y protección.

Vamos, sí, junticos, 
Sin más diapasón
Que el latir vibrante
 De tu corazón!